Skip to content

Resenha: Namie Amuro – PAST < FUTURE

janeiro 25, 2010

Desde 2007 sem lançar nenhum álbum de inéditas, Namie Amuro quer mostrar sua diversidade musical que pode ser ao mesmo tempo retrô e futurista como o próprio título do álbum sugere… E aí? Será que deu certo?

FAST CAR

O álbum inicia com essa música de batida fortíssima, mas ao mesmo tempo simples, sem nada sintético, tudo no basição mesmo! Aqui é que a Namie já inicia a temática retrô, com base no som do saxofone (algo incomum hoje em dia) o que dá a característica desta música. A canção não tem muitas mudanças bruscas de ritmo, apesar de um solinho inesperado de guitarra a lá anos 60. Mas o que realmente trás o diferencial é o vocal de Namie, sexy, afinado e na medida certa, o que faz dessa música viciante.

COPY THAT

Guitarra Havaiana! Sim! Mais inovação, e com cara de anos 60 se inicia COPY THAT! Mas aqui o que manda é a diversidade, passando desde ritmos mais antigos, palmas, sintetizadores, vinis sendo riscados (ui!) e a voz de Namie a todo o momento tem alguma distorção, mas nada enjoativo! Sabe aqueles “su-su-su-su-su-su-su-super”? Disso que estou falando! A faixa mistura tudo isso, mas muitíssimo bem! O refrão então é perfeito, voz na medida certa, e muito catchy! E a música prossegue com mais mistureba, chegando aos seus 3:40 com cara totalmente diferente do início. Com certeza é a minha preferida do álbum!

LOVE GAME

LOVE GAME tem aquela coisa atirada e apelativa dos batidões sintéticos na cara larga! Mas o que acho incrível nas músicas da Namie (e em LOVE GAME não é diferente) é a capacidade de ela cantar de um jeito sensual, sem exagerar e sem forçar nada, na medida certa. A ponte antes do refrão com seus “Round 1, Round 2, Round 3” tem uma ótima melodia! Fiquei impressionado com essa música, pois ela é simples, nada que se destaque, mas ficou extremamente divertida.

Bad Habitat

Essa tem algo dos anos 80 que procuro descobrir o que, mas até agora não encontrei! É uma sensação diferente do que vimos até agora. Sintetizadores e batidas pouco pesadas são a cara de Bad Habitat, não tendo quase nenhuma diversificação nela, mas o que não a deixa pobre.  A interpretação de Namie nesta música parece “comum” demais, mas nada que comprometa a música. Bad Habitat é a mais curta do álbum (apenas 3:09) e parece que foi feita de última hora, mas a idéia dela é boa e poderia ser melhor aproveitada.

Steal My Night

Fiquei de queixo aberto quando ouvi o essa música! Alguém diga que estou errado, mas é uma mistureba incrível! Tem até guitarra com distorção parecidíssima com (pasmem!) berimbau! Infelizmente a música tem partes boas, mas tudo ficou muito jogado e sem sentido… O vocal é a única coisa que se salva. Sem mais comentários.

FIRST TIMER feat. DOBERMAN INC.

Depois da decepção que foi “Steal My Night”, FIRST TIMER se inicia com sons robotizados (que eu particularmente amo!) pra dar início a um electro-pop upbeat que é a linha principal desta canção. Até mesmo o vocal da Namie está com auto-tune, mas entrou no clima da música perfeitamente bem. FIRST TIMER mostra na cara que é uma música experimental, misturando diferentes sons a todo o momento, principalmente no rap de DOBERMAN INC., onde esse experimentalismo é mais evidente. A música se perde em alguns momentos, mas dependendo dos seus ouvidos pode ser algo a relevar…

WILD

Seguindo a parte Future deste álbum, a previamente lançada como single, WILD já mostra que é puramente eletrônica desde o início. Com auto-tune nos vocais do início ao fim, e tem uma levada leve que não enjoa. Depois do segundo refrão a música sofre uma quebra e torna o ritmo mais rápido e dá o up necessário para a música, seguindo em uma mesma linha até o final. A frase: “Get WILD, Get WILD” é viciante! Apesar de tudo, não inova, mas diverte muito bem.

Dr.

Lançada previamente com “WILD”, “Dr.” Tem aquele clima de electro-pop dos anos 90! (agora reparei que tem muitas referências a sons antigos neste álbum!) É um feel diferente, que parece que mexe faz acreditar em mundo melhor sabe? Principalmente nos “Please, Doctor!” Se lembram de “We are the World” ? É por aí… A música não tem nada de inovador, mas o clima que ela traz foi muito bem produzido e deu um resultado excelente, são raras as músicas que passam isso.

Shut Up

Começa com um clima difícil de explicar.. Mas tem aquela coisa do pop japonês de misturar guitarras à música eletrônica, e essa música tem isso, mas só que de um jeito muito mais atual! O refrão então é pegajoso mesmo, e a canção tem umas mudanças de ritmo de cairam muito bem. É uma música básica, dançante, sexy e divertida.

MY LOVE

Amei o vocal da Namie nessa música! Transmite o sentimento de “eu te amo e quero ser feliz”, simples assim. Apesar da batida forte, os sintetizadores trazem muito bem a perfeição de “vamos nos amar getem!”. Tem uma coisinha de “sex appeal” nessa música que só vem acrescentar. A canção segue uma linha clara, sem surpresas, mas não deixa de ser uma ótima faixa.

The Meaning Of Us

Esta é “A BALADA” do álbum, com direito a piano, violino, violão, estrelinhas, tudo muito bonitinho. Sabe aquelas baladas que você pensa: “mais música de fossa ¬¬”, mas The Meaning of Us pega um diferencial, que se dá principalmente pelo vocal da Namie a partir do primeiro refrão, antes disso é tudo muito clichê. A partir deste ponto percebe-se que a música não é “dor-de-cotovelo”, é uma música de amor, simplesmente. E traz um clima romântico na medida certa… sem mais comentários, amei!

Defend Love

A continuação citada no final de de Dr. Está aqui! E incrível que Defend Love conseguiu ser melhor que a anterior! Pegue toda a fórmula de Dr. e acrescente quebradas mais elaboradas, pontes viciantes (principalmente quando Namie canta: S.O.S) e partes mais dançantes, pronto! Uma música perfeita! A constante mudança de ritmo caiu muito bem nessa música, e o auto-tune ficou na medida certa. Um perfeito encerramento do álbum!

Conclusão

Confesso que antes eu não gostava muito da Namie, mas esse álbum me conquistou. Aqui Namie mostra toda sua versatilidade, e experimenta ao máximo! Tudo bem que nem em todas as músicas essa experimentação teve um resultado bom, mas também há músicas com um ótimo resultado, que ainda bem é a maioria delas. Uma algo que me chamou a atenção é o vocal da Namie, sem erros, sem ser enjoativo, nem exagerado; o vocal dela é realmente o equilíbrio entre o dançante, romântico e o sexy, é um atrativo a mais. A proposta de Past<Future é inteligente, já que se trata da mistura de sons tipicamente do passado, mas com uma roupagem atual, sendo isso que faz o diferencial do album. Só posso dizer que a Rainha do Hip-Pop conseguiu provar que consegue transcender com suas músicas o passado e o futuro!

Anúncios
12 Comentários leave one →
  1. janeiro 25, 2010 11:26 pm

    Namie Amuro também me conquistou com esse álbum 🙂

  2. janeiro 26, 2010 6:37 am

    eu comecei a gostar dela com o Best Fiction, + esse álbum foi realmente muito bom 8D

  3. Rubens permalink
    janeiro 26, 2010 10:04 am

    Ótima resenha. Gostei bastante, foi bem detalhista falando de cada música do álbum. Parabéns.

    Quanto ao álbum, eu gostei muito dele, achei que foi um dos melhores da carreira da Namie, se não o melhor. Só achei ele meio que mal aproveitado, poderia ter tido mais singles.

  4. janeiro 26, 2010 10:56 am

    PARABENS AN.DO.RE SEJA BEM VINDO \o/

    Adorei a resenha vc realmente entende de música

    adorei o cd mas pra mim esse não supera Best Fiction, e nem tinha como superar né

  5. janeiro 26, 2010 11:19 am

    PARABENS AN.DO.RE SEJA BEM VINDO \o/ [2]

    Falou de cada música com detalhes ^^, gostei hein xD, me lembrou de outro site q eu visito..

    Pra mim a melhor faixa é “LOVE GAME” hehee.

    Também acho que não supera “Best Fiction”.

    • andoreh permalink
      janeiro 27, 2010 9:28 pm

      Brigadão!!!!!!!!

      etto… qual site? O.o

      pra mim a melhor desse é Defend Love ;D

  6. jiyonni permalink
    janeiro 26, 2010 12:15 pm

    nem tem como superar né… o best fiction é um best album rsrs… mas dos álbuns de estúdio esse só perde para o sweet 19 blues… aliás vocês podiam fazer resenhas de álbuns clássicos, para a galera conhecer… eu mesmo faria, se soubesse escrever xD

  7. sasukerk permalink
    janeiro 26, 2010 12:44 pm

    Bom post,soh li e estou comentado pq eh do andre ^^ pq Namie amuro … gosto do feat dela com AI

  8. Lyn permalink
    janeiro 26, 2010 12:54 pm

    soh li e estou comentado pq eh do andre ^^[2]

    Omedetoou pelo primeiro post =DD

  9. andoreh permalink
    janeiro 27, 2010 9:30 pm

    Pessoal Realmente Mto Obrigado! \o/

    Tava na dúvida se realmente eu sabia fazer um post xDDD

    mas os coments de vcs me encorajam =D

  10. fevereiro 2, 2010 11:07 am

    adoro esses album .
    mesmo que tenha musica que eu ja conhecia .,Dr wild .
    ela é maraá

  11. Shinjicas permalink
    junho 8, 2010 5:57 pm

    Conheci Namie Amuro em seu PV The Speed Star. Depois, foi só alegria a cada single. Ouço várias cantoras que me surpreende com seus álbuns, mas a Namie é a única que me cativou a cada lançamento. Por isso, pretendo comprar todos os cds/ dvds dela. Até hoje tenho o Can’t Sleep, Can’t Eat, I’m Sick – Want me, Want me – Dance Track V. 01 e Best Fiction. Estou esperando chegar o Past>Future. ^^

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: